Moda Feira 2018

Moda Feira 2018 | Ingressos

Encontram-se disponíveis os ingressos para o Moda Feira 2018.
Os Ingressos podem ser adquiridos no nosso escritório, na Rua Jornal Correio da Feira, nº 19A.
Para mais informações entre em contacto:
geral@aefeira.pt
256 374 983 / 926 647 390

Jovens Criadores

O desafio lançado através do Concurso Jovens Criadores vai no sentido da apresentação de um projeto de criação original em design, proporcionando aos jovens a oportunidade de apresentarem as suas criações.  É uma iniciativa que visa incentivar e promover valores emergentes de diferentes áreas do design.

O concurso lançado a nível nacional para jovens criadores com espírito de iniciativa e ambição, nas áreas do design de calçado e vestuário, pretende premiar as melhores criações em cada uma das áreas.

O júri deste ano é composto por Inês Torcato, Ivo Maia, Vasco Heitor e Bibiana Grave. Dos mais de 100 candidatos resultou uma seleção de 19 projetos que irão ser apresentados no dia 2.

A 4ª Edição do Concurso Jovens Criadores pretende reunir as propostas que sejam demonstrativas de criatividade e qualidade. Da apresentação em Desfile serão consagrados dois vencedores, por cada uma das áreas a concurso.

Esta iniciativa é promovida pela i9jovem e conta com o Apoio da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e do IPDJ.

Os ingressos podem ser adquiridos no site: https://bit.ly/2IHZENF

 

A SUA PRIVACIDADE  É UM ASSUNTO SÉRIO

A Associação Empresarial do Concelho de Santa Maria da Feira considera a sua privacidade importante!
Assim, a partir de 25 de Maio, de acordo com o novo regulamento geral de proteção de dados só poderá continuar a receber comunicações da Associação Empresarial do Concelho de Santa Maria da Feira se nos transmitir o seu consentimento livre, informado e explícito.
Basta apenas enviar um email para continuar a garantir o acesso a comunicações em primeira mão.

 

 

 

 

Inscrições Manequins Moda Feira

Moda Feira 2018 | Casting Manequins Masculino e Feminino!
Até 9 de junho envia a tua candidatura através do email: desfilemodafeira@gmail.com

Com os seguintes dados:
– Nome Completo
– Morada
– Localidade
– Idade
– E-mail
– Contacto telefónico
– Foto de corpo inteiro e de rosto
– Medidas de camisola (s,m,l)
– Medidas de calças (34,36,38)
– Número do calçado

 

Sessão de Esclarecimento

No passado dia 9 de Abril, realizou-se uma Sessão de Esclarecimento sobre a Segurança Alimentar, o Livro de Reclamações, Licenciamento Musical e a Fiscalização, no auditório do Lenitudes.
A Sessão de Esclarecimento foi organizada pela AEF – Associação Empresarial do Concelho de Santa Maria da Feira, em parceria com a ASAE, PASSMUSICA, SPA, GNR e PSP.
Estiveram presentes vários oradores para esclarecer as dúvidas do público presente.
A Sessão realizada foi considerada um sucesso, tal adesão das entidades presentes, bem como a satisfação das mesmas.

Inscrições Moda Feira 2018

Vimos por este meio informar que já se encontram abertas as inscrições para o Moda Feira 2018, sendo que a data limite é a 20 de maio.

Contrato Coletivo de Trabalho

Caro associado,

Vimos por este meio comunicar que já se encontra disponível o novo Contrato de Trabalho Coletivo de 2018 do comércio e serviços para o distrito de Aveiro.
Deixamos aqui o respetivo documento para consulta.

Estudo empresas familiares concelho de Sta Maria da Feira

O projeto Inovafeira levado a cabo por esta associação, pretende entre outros objetivos a avaliação das práticas de Sucessão Familiar das empresas do Concelho de Santa Maria da Feira.
Assim, com este estudo, pretendemos fazer uma avaliação do estado das atividades relacionadas com o processo de sucessão, qual o seu grau de desenvolvimento, a avaliação das dificuldades com que as empresas se deparam ao logo destes processos, desde a conceção e visão estratégica, à adequação dos mecanismos existentes ao nível de financiamento público e privado.
Pretendemos também identificar os constrangimentos com que as empresas se deparam, com a existência de organismos de apoio a estas atividades, que estejam integrados nos ecossistemas de inovação.
Acreditamos que este documento represente um contributo para a contextualização da atividade inovadora das empresas do Concelho de Santa Maria da Feira.

Artur Dias
Presidente da Associação Empresarial de Santa Maria da Feira

 

Documento

Estudo Práticas de Inovação das PME’s

O projeto Inovafeira levado a cabo por esta associação, pretende entre outros objetivos a avaliação das práticas de inovação das empresas do Concelho de Santa Maria da Feira.
Assim, com este estudo, pretendeu-se fazer uma avaliação do estado das atividades relacionadas com o processo de inovação, qual o seu grau de desenvolvimento, a avaliação das dificuldades com que as empresas se deparam ao logo destes processos, desde a conceção e visão estratégica, à adequação dos mecanismos existentes ao nível de financiamento público e privado.
Pretendemos também identificar os constrangimentos com que as empresas se deparam, com a existência de organismos de apoio a estas atividades, que estejam integrados nos ecossistemas de inovação.

Acreditamos que este documento represente um contributo para a contextualização da atividade inovadora das empresas do Concelho de Santa Maria da Feira.

Artur Dias
Presidente da Associação Empresarial de Santa Maria da Feira

 

Documento

Assembleia Geral – 29 de Novembro

Convocatória de Assembleia Geral Ordinária

 

Ex. Mos. Senhores Associados,

 

Ao abrigo do nº 1, do art.º. 19º dos Estatutos da Associação Empresarial do Concelho de Santa Maria da Feira, o Presidente da Mesa da Assembleia, convoca todos os associados para a Assembleia Geral Ordinária, que se realizará no próximo dia 29 Novembro de 2017, pelas 18:30 horas, nas instalações da AEF, na Rua Jornal Correio da Feira, nº19-A em Santa Maria da Feira, com a seguinte:

 

 

Ordem de Trabalhos

  1. Discussão e Aprovação do Plano de Atividades e Orçamento para o ano 2018.
  2. Outros assuntos.

 

Como no disposto no nº 2, do art.º 29º dos Estatutos, se à hora marcada para a sessão não estiverem presentes mais de metade dos associados com direito a voto, a Assembleia reunirá, meia hora depois, com qualquer número de associados.

 

 

O Presidente da Assembleia Geral,

José Albino Pinto Teixeira

Livro de reclamações online avança primeiro nos serviços públicos

 

Os consumidores podem agora exercer o seu direito de queixa por via eletrónica

O livro de reclamações online vai ser obrigatório, numa primeira fase, nos serviços públicos essenciais, sendo posteriormente alargado a outros fornecedores de bens e prestadores de serviços públicos após as conclusões de um relatório de avaliação do seu impacto.

O decreto-lei n.º74/2017, que implementa as medidas de simplificação administrativa Simplex+ 2016 “livro de reclamações online”, “livro de reclamações amarelo” e “atendimento público avaliado” foi esta quarta-feira publicado em Diário da República.

“Volvidos mais de 10 anos sobre a data de entrada em vigor do decreto-lei n. 156/2005, de 15 de setembro, que veio a instituir a obrigatoriedade de existência e disponibilização do livro de reclamações de fornecedores de bens e prestadores de serviços, importa modernizar e simplificar este regime, em particular no que se refere à desmaterialização do livro de reclamações e respetivos procedimentos”, lê-se no documento.

Nesse sentido, “os consumidores e utentes passam a poder exercer o seu direito de queixa por via eletrónica”, mas “de modo a acautelar a melhor implementação do formato eletrónico do livro de reclamações, este efetuar-se-á de modo faseado e por setores de atividade económica”.

Assim, numa primeira fase, “a obrigação de disponibilização do formato eletrónico do livro de reclamações é aplicável aos prestadores de serviços públicos essenciais definidos” na lei, “prevendo-se o alargamento posterior daquela obrigação a outros fornecedores de bens e prestadores de serviços, com base nas conclusões de um relatório de avaliação do impacto na sua aplicação”.

A reclamação online “deve ser objeto de resposta aos consumidores, pelos fornecedores de bens e prestadores de serviços no prazo máximo de 15 dias úteis a contar da data da sua apresentação na plataforma digital”, sendo que “atendendo à especial importância e impacto que os serviços públicos essenciais desempenham no quotidiano e bem-estar dos consumidores e utentes, a resposta no prazo referido aplica-se, nestes setores, a todas as reclamações, quer sejam lavradas no formato eletrónico ou no formato físico do livro de reclamações”.

O diploma prevê ainda “o envio por via eletrónica das folhas de reclamação às entidades reguladoras ou às entidades de controlo de mercado competentes, caso estas assim o determinem, ou o fornecedor de bens ou prestador de serviços assim o entendam, eliminando-se, consequentemente, os custos de contexto a cargo dos operadores económicos com o respetivo envio dos originais”.

Está também previsto o fim da obrigatoriedade de compra de novo livro de reclamações em caso de alteração da atividade ou do respetivo CAE, prevendo-se, nestas situações, o averbamento do livro existente.

“Importa igualmente destacar a alteração que visa assegurar aos consumidores e utentes vulneráveis o pleno exercício do direito de queixa, impondo-se ao fornecedor de bens ou prestador do serviço o dever de auxílio no preenchimento da reclamação”.

Relativamente ao regime de reclamações aplicável ao setor público, o denominado livro amarelo, o diploma simplifica a versão em papel do livro, reduzindo o número de cópias e a respetiva tramitação e, por outro lado, alarga-se a utilização das plataformas que suportam a versão eletrónica do livro.

Fonte: Diário de Noticias 

Medida Estágios Profissionais

No passado dia 7 de Abril foi publicada no Diário da República a Portaria nº 131/2007, regulando a criação da medida Estágios Profissionais. Esta medida mantém o objetivo de apoio à inserção de jovens no mercado de trabalho ou à reconversão profissional de desempregados. Distingue-se, contudo, das medidas anteriores, por introduzir:

– a exclusão do nível 2 de qualificação para os públicos abaixo dos 45 anos (Art. 3º, número 1);
– um valor diferente para as bolsas de estágio dos níveis pós-superiores (níveis 7 e 8), (Art. 12º, número 1 e) e f);
– uma maior seletividade e reforço da ligação entre os estágios e a criação de emprego através da instituição de um “prémio de emprego” (Art. 17º) para as empresas que integrem estagiários com contratos sem termo, após o fim dos estágios;
– a criação de períodos de candidatura regulares e fechados, com dotações financeiras especificadas (Art. 19º, número 1);
– uma maior ligação entre a concessão de novos apoios e os níveis de empregabilidade dos estagiários atingidos no passado (Art. 19º, números 5 b), 12 e 13 ).

Saiba mais

Novas regras nas telecomunicações: o consumidor fica mais protegido

As principais alterações são muito positivas para o consumidor: reforço da informação contratual e pré-contratual, uma maior transparência no período de fidelização, a regulamentação da refidelização e uma maior ponderação nos encargos cobrados quando há rescisão antecipada do contrato (bem como um maior equilíbrio contratual das partes).

Agora, qualquer contrato que imponha uma fidelização deve ter vantagens para o consumidor, que têm de ser devidamente identificadas e quantificadas. Além do prazo máximo de 24 meses de fidelização, a lei exige agora que as diferentes propostas sejam oferecidas sem qualquer tipo de fidelização, bem como com períodos de 6 e 12 meses.

Os deveres das operadoras vão começar muito antes da contratação. Numa visita ao site ou à loja e por telefone, o consumidor deve ficar a saber o preço normal dos serviços, os encargos, o custo da cessação antecipada, os descontos e os tarifários praticados.

O contrato celebrado deve cumprir todos os requisitos legais já existentes, mas há novas condições. O contrato deve incluir as condições para a renovação e a cessação, o período de fidelização (se houver), os encargos da portabilidade dos números e os níveis de qualidade mínima do serviço (tempo necessário à ligação inicial, disponibilização e limitação dos serviços de emergência, serviços de apoio e manutenção).

Mais clareza durante todo o contrato
O consumidor pode agora solicitar à operadora informação relativa ao tempo de fidelização que ainda lhe falta cumprir, bem como os custos de uma eventual cessação antecipada durante todo o contrato. As operadoras ficam ainda obrigadas a conservar as gravações e outros documentos do consumidor durante o período de fidelização, devendo ser disponibilizados sempre que o consumidor os solicite.

Caso o consumidor queira terminar o contrato antes do tempo, os encargos que lhe competem devem ser proporcionais à vantagem que obteve com a celebração do contrato. Este valor não pode, como até aqui, corresponder automaticamente à soma do valor das prestações em falta até ao final do contrato. Assim como não pode ultrapassar os custos que a operadora teve com a instalação da operação.

renovação automática dos contratos pelas operadoras vai ser proibida. A refidelização não estava anteriormente regulamentada e foi uma reivindicação do nosso abaixo-assinado, estando agora enquadrada em termos legais. Esta só acontecerá se o consumidor manifestar essa vontade por escrito. Também é necessário que a operadora disponibilize novos equipamentos ou ofereça condições promocionais devidamente identificadas e quantificadas (estas não podem abranger vantagens cujos custos já tenham sido recuperados no período de fidelização anterior).

A alteração das condições contratuais por iniciativa das operadoras (por exemplo a atualização do tarifário ou a modificação dos serviços fornecidos) deve ser comunicada por escrito, com 30 dias de antecedência e o consumidor deve ser informado sobre a possibilidade de pôr fim à relação contratual sem qualquer encargo, caso não aceite as novas condições. No entanto, quando se trata de uma alteração benéfica para o consumidor, este não poderá rescindir sem custos associados.

IVA nos Serviços de Alimentação e Bebidas

A informação disponibilizada pretende resumir a temática das alterações do IVA nos serviços de alimentação e bebidas, contudo, não substitui a leitura da legislação aplicável.

 

Consumo fora do estabelecimento

 

Nesta categoria inclui a entrega de refeições preparadas, quando não acompanhadas pelo acto de servir essas refeições, com ou sem transporte associado, ou seja, é considerado para efeitos de iva com uma mera transmissão de bens.

Abrange nomeadamente: Take-Away; Drive In; Serviços entrega de pizzas ou outras refeições ao domicílio; Máquinas de vending; Pastelarias (na parte em que o consumo é feito fora do estabelecimento).

 

Taxa Aplicável Bens
 

 

 

Taxa Reduzida = 6%

·         Pão.

·         Leite com chocolate.

·         Sumos de frutos e de algas.

·         Produtos hortícolas.

·         Bebidas de Aveia, arroz e amêndoa sem teor alcoólico.

·         Néctares.

·         Leite.

·         Iogurtes.

 

 

 

Taxa Intermédia = 13%

·         Alimentação/refeições prontas a consumir (Sopa, prato principal, sandes, pizza, hamburger).

·         Vinhos comuns (verdes, maduros, etc.).

·         Aguas minerais, de nascente, medicinais e de mesa.

·         Aguas gaseificadas ou adicionadas de gás carbónico.

 

 

 

Taxa Normal = 23%

·         Aguas      adicionadas       de      outras substâncias.

·         Refrigerantes.

·         Gelados.

·         Produtos de pastelaria.

·         Cerveja e outras bebidas alcoólicas.

·         Batas fritas de pacote.

·         Vinhos frisantes e espumantes.

 

 

Consumo dentro do estabelecimento

 

Nesta categoria inclui o serviço de alimentação e bebidas.

 

Abrange nomeadamente: Todo o tipo de Restaurantes (incluindo self-service); Serviço de Catering; Cafés; Bares; Esplanadas; Discotecas; Pastelarias (na parte em que o consumo é feito dentro do estabelecimento).

 

Taxa Aplicável Bens
 

 

Taxa Intermédia = 13%

·         Alimentação/refeições(inclui entradas, aperitivos, sobremesas, etc).

·         Aguas lisa natural.

·         Produtos de cafetaria em geral, nomeadamente: café, carioca de café, carioca de limão, descafeinado, cevada, café com leite, chocolate (liquido), leite, leite com chocolate, achocolatados, chá (infusões), iogurtes.

 

 

Taxa Normal = 23%

·         Bebidas alcoólicas (e bebidas compostas com bebidas alcoólicas, como o irish coffee).

·         Refrigerantes.

·         Sumos (como os sumos naturais).

·         Néctares.

·         Aguas gaseificadas ou com adição de outras substâncias (como sejam as aguas com sabores).

 

 

Menu incluindo bebidas

 

No caso de serviços de alimentação e bebidas em que o preço fixado incluí bebidas que tenham taxa diferente de 13%, deve ser feito o cálculo proporcional de cada item por forma a se conseguir descriminar na fatura as várias taxas aplicáveis.

Este cálculo deve tomar por base o preço que os bens teriam se fossem consumidos separadamente. Exemplo: Menu do dia = 10€ (inclui prato + cerveja)

Preço dos bens adquiridos separadamente: Prato 10€ e Cerveja 2€ (ou seja, separadamente os mesmo bens custariam 12€)

 

Neste caso a fatura deveria conter:

 

Prato 8,33€ (iva incluído 13%)
Cerveja 1,67€ (iva incluído a 23%)
Total 10,00€

 

 

Sector Hoteleiro

 

O sector hoteleiro também fornece serviço de alimentação e bebidas, como pequenos-almoços, almoços ou jantares.

Se os preços fixados não incluírem as bebidas excluídas da verba 3.1 (ou seja, não incluírem bebidas alcoólicas, refrigerantes, sumos, néctares e águas gaseificadas ou adicionadas de gás carbónico ou outras substancias), o processo faturação é muito simples:

 

Tipo de Serviço Taxa
Alojamento 6%
Alojamento + Pequeno-almoço 6%
Pequeno-almoço (faturado á parte) 13%
Meia Pensão:

75% da Pensão

25% da Pensão

 

6%

13%

Pensão Completa: 50% da Pensão

50% da Pensão

 

6%

13%

 

 

Se os preços fixados incluírem as bebidas excluídas da verba 3.1 (ou seja, incluírem bebidas alcoólicas, refrigerantes, sumos, néctares e águas gaseificadas ou adicionadas de gás carbónico ou outras substancias), o processo de faturação tem de ser feito por proporcionalidade para descriminar as várias taxas de iva aplicáveis (ver atrás “Menu incluindo bebidas”).

 

Notas Finais

  • Na emissão das faturas se os bens/serviços não forem devidamente descriminados aplica-se a taxa normal de 23% a todos os bens/serviços. Por exemplo se a fatura disser apenas “Menu do dia” não há como verificar o que foi transacionado por isso aplica-se iva a 23%.
  • Aconselha-se que no caso de serviços de “buffet” ou de “Menu do dia” sempre que haja um preço previamente fixado o mesmo não inclua as bebidas excecionadas, e estas sejam pagas “á parte”. Assim facilita os cálculos do IVA, a descriminação dos bens e a sua faturação.
  • De referir que esta legislação aplica-se igualmente a qualquer entidade que tenha serviços de alimentação e bebidas e que as forneça para outras entidades/consumidores finais, como IPSS’s, municípios (preparam refeições escolares), quiosques em centros comerciais, refeições fornecidas no âmbito de manifestações ocasionais por associações (tasquinhas ou festas populares), entre outras.

 

lei_agencia

 

Rua de Penoucos, 424| 4505-308 Fiães | Portugal

Tel. (351) 227471840| Fax. (351) 227471849

joao.lei@lei.com.pt | www.lei.com.pt  | www.leitur.pt

 

Declaração CCP sobre o Brexit

A CCP manifesta preocupação  pelo impacto que a decisão dos britânicos necessariamente acarreta no projecto europeu.

 

Sem prejuízo de outras questões de âmbito interno, nomeadamente razões nacionalistas, que possam ter contribuído para o resultado final do referendo britânico, tememos que  o distanciamento das instituições europeias em relação à realidade concreta das empresas e das pessoas potencie reacções e processos semelhantes noutros países e regiões da U E.

 

Embora a real situação do RU no contexto europeu ainda tenha alguns anos para se definir completamente, é necessário que no processo de negociações os líderes europeus reconheçam o RU como um parceiro comercial fundamental e que se assegure um bom clima para a actividade empresarial. É também fundamental que nestas negociações se salvaguardem os interesses das pessoas, residentes no RU, nomeadamente, a vasta comunidade portuguesa.

 

Esperamos que as instituições europeias, que se têm dedicado em excesso a aspectos marginais da política económica e orçamental, reconheçam a necessidade de, mais do que nunca, se focarem na competitividade global da União Europeia no mundo, que passa pelo real funcionamento de um mercado único solidário e uma regulamentação europeia que fomente a inovação, a competitividade e o investimento, sem esquecer a especificidade dos diversos países, em particular, os do sul da Europa em que Portugal de inclui.

 

A CCP

24/06/2016

 

ISPAB | Formação à medida da sua Empresa

A partir do ano letivo de 2016/2017, o Instituto Superior de Paços de Brandão (ISPAB) vai proporcionar, às empresas, um plano de formação que visa servir as especificidades de diferentes áreas de negócio.

Em resposta às necessidades e exigências do atual mercado de trabalho, no que respeita à formação de quadros empresariais de topo e de nível intermédio, o ISPAB coloca à disposição das empresas um pacote de formações cruciais para os seus colaboradores que passam pelos cursos técnico-profissionais, licenciaturas e formações pós-graduadas avançadas.

Como Instituição de Ensino Superior temos vindo a assumir e a desenvolver um papel relevante, no âmbito da formação profissional e académica de quadros superiores e intermédios, privilegiando uma estreita relação com a Comunidade e contribuindo, assim, para um efetivo desenvolvimento local.

Neste sentido, queremos ajudar a sua empresa, na tomada de decisões que são cruciais, para ultrapassar a atual conjuntura que impõe um maior rigor de conhecimentos e uma especialização de cada profissional, nas diferentes áreas de trabalho. Encontramo-nos numa realidade, onde a liderança é de extrema importância, sendo necessário contar com profissionais qualificados que saibam como orientar e formar os trabalhadores, o que implica um elevado conhecimento e competências técnicas.

No âmbito da atuação da vossa empresa, sugerimos que deem a conhecer, aos colaboradores que cooperam direta ou indiretamente convosco, este plano de formação. A entrada, no mínimo, de dois colaboradores da vossa empresa, na nossa Instituição de Ensino, faculta-vos a possibilidade de poderem inscrever, para frequência gratuita, num dos nossos cursos, um terceiro elemento que pertença ao quadro da empresa.

Temos vindo a tomar conhecimento de vários casos de sucesso, de ex-alunos nossos, que têm conseguido implementar decisões muito vantajosas nas empresas, onde exercem cargos de liderança, o que nos faz sentir muito orgulhos pela qualidade do trabalho desenvolvido.

As informações e inscrições podem ser efetuadas via e-mail para geral@ispab.pt , ou via telefone para o nº. 227449277.

Nota: estão a decorrer neste momento as candidaturas e inscrições para alunos que pretendam vir a realizar um curso de ensino superior ao abrigo do estatuto de maiores de 23 anos.

 

INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO
Avenida Escolar, nº190 – Apartado 99
4535-525 Paços de Brandão

Tel: (+351) 22 744 9277 | Fax:( (+351) 22 745 10 09 | Telemóvel.: (+351) 91 964 69 90
www.ispab.pt | geral@ispab.pt | facebook.com/ISPAB.pt

6 Anos, 6 Km, 6 Viagens | Aniversário YONOS

Junho é o mês de aniversário da Yonos!

De 1 a 30 de junho de 2016, oferecemos um desconto de 6% em compras efetuadas em yonos.pt ou na Loja Yonos (exceto produtos das categorias de “Informática”, “Mainline” e “Domótica”), com o código promocional 6YONOS2016.*

* Campanha limitada ao stock existente. Não acumulável com outras promoções em vigor. Para mais informações e disponibilidade de produtos contacte-nos diretamente.

E ainda: Sábado, dia 25 de junho, às 10h00…

… Uma caminhada comemorativa do nosso 6º aniversário. 6 Km pelas ruas de Santa Maria da Feira, num itinerário com início e fim na Loja Yonos, onde serão sorteados 6 vouchers de férias e outros prémios.

Inscrições

A prática da caminhada, incluída num estilo de vida ativo e saudável, vai de encontro às nossas motivações, pelo que faz todo o sentido comemorarmos o 6º aniversário com uma atividade dinâmica como esta. Este evento pretende também contribuir para o combate ao sedentarismo da população. E lembre-se… A vida deve ser simples, segura e divertida! No total serão atribuídos 6 prémios, a 6 pessoas distintas. Cada prémio é constituído por um certificado de férias que dará acesso a 5 dias / 4 noites de férias, de 2 a 6 pessoas, contemplando termos e condições distintos que devem ser consultados previamente. Cada vencedor poderá escolher um dos destinos disponíveis para usufruir das suas férias, sendo eles inicialmente: “Hotéis em Portugal”, “Algarve”, “Madeira” e “Lisboa e Sul do Tejo”. O prémio tem validade de 1 ano após a entrega do mesmo ao vencedor, pela Yonos, devidamente preenchido e carimbado. A reserva é efetuada online, em www.exclusive-bonus.pt, através do código de segurança que consta no voucher entregue aos vencedores, escolhendo o empreendimento pretendido e indicando 3 datas de preferência. Os pedidos de reserva serão atendidos por ordem de chegada e estão sujeitos à disponibilidade da unidade hoteleira. – See more at: http://www.yonos.pt/pt/articles/6anos-6km-6viagens#sthash.YrYlAPj0.dpuf

O EUROPARQUE Centro de Congressos está à procura de Hospedeiros (as) de eventos / Promotores (as)

Os candidatos (as) para preenchimento da Bolsa de Hospedeiros (as) de eventos / Promotores (as) desempenharão atividades de apoio a eventos no EUROPARQUE Centro de Congressos, devendo para tal demonstrar  uma postura profissional, imagem cuidada, e sentido de responsabilidade. Excelente capacidade de comunicação e conhecimento de regras de etiqueta e protocolo são elementos preferenciais, entre outros. Se tem enquadramento neste perfil e competências inscreva-se aqui.

Termas de S. Jorge premiadas

As Termas S. Jorge (Caldas de S. Jorge, Santa Maria da Feira) foram galardoadas com a menção “Special Jury Prize”, no âmbito da iniciativa “ESPA – European Spas Association”, que pretende celebrar a inovação no setor do Turismo de Saúde e Bem-Estar. O júri deste evento internacional reconheceu todo o mérito à candidatura apresentada pelo balneário feirense, com o seu programa de termalismo pediátrico “Termalkids”.

 

Este prestigiado prémio internacional atribuído às Termas S. Jorge, no âmbito do concurso “ESPA – Innovative Awards 2016”, foi obtido na categoria “Innovative Health Spa Program”. Neste contexto, foram avaliados critérios como o conceito, a implementação, os procedimentos, a duração e os resultados do programa termal.

Nesta candidatura, as Termas S. Jorge pretenderam diferenciar-se, apresentando um projeto termal integrado e inovador, a nível europeu, no âmbito do termalismo pediátrico: o “Termalkids”. Este programa foi desenvolvido visando o envolvimento e comprometimento dos pequenos termalistas na realização de três semanas de tratamentos, através de estratégias de incentivo, tornando a terapêutica termal num momento lúdico e de bem-estar. Por outro lado, através da sua mascote – o “Gotinhas” – e do conjunto de ações de sensibilização realizadas junto do público escolar e das famílias, visa a divulgação da importância das águas minerais naturais, do benefício do termalismo e a consciencialização para a proteção ambiental.

O júri enalteceu o trabalho apresentado, considerando-o “notável e excelente”, por refletir a preocupação com os problemas respiratórios e dermatológicos das crianças. “As Termas S. Jorge construíram uma abordagem original e lúdica dos cuidados termais, a fim de melhorar a aceitação e cumprimento das crianças tratadas, especialmente para 3 semanas de programa”, conclui o júri na sua fundamentação.

AEF assina protocolo de colaboração do projeto ‘Novo Rumo a Norte’

A AEF, assinou na passada terça-feira, dia 10, através do seu Presidente, Artur Dias, o protocolo de colaboração com a AEP – Associação Empresarial de Portugal, com vista à participação na rede colaborativa do projeto ‘Novo Rumo a Norte’.

Com o projeto ‘Novo Rumo a Norte’, a AEP visa criar uma rede colaborativa entre as empresas da região, rentabilizando recursos e promovendo a coesão territorial através de uma plataforma online.

O modelo de implementação do NOVO RUMO A NORTE assenta no estabelecimento de parcerias com estruturas associativas que detêm proximidade territorial e relacionamentos privilegiados com os destinatários do projeto, ou seja, Empresários, Empreendedores e Empresas. Para a região NUT III – Área Metropolitana do Porto.

IMG_4860 IMG_4861

SR AMP 007 SR AMP 0122

Projeto Formação-Ação PME

A AEF – Associação Empresarial do Concelho de Santa Maria da Feira, encontra-se a preparar uma candidatura ao Sistema de Incentivos do Portugal 2020, no âmbito dos Projetos Conjuntos para Formação-Ação, que apoiará a fundo perdido a intervenção nas Pequenas e Médias Empresas (PME).

 

A metodologia da Formação-Ação combina ações de Formação (em sala), com Consultoria (on the job) e destinam-se às micro, pequenas e médias empresas até 100 colaboradores, A formação é inter-empresas e a consultoria em cada empresa (intra-empresa). Em casos devidamente fundamentados a formação poder-se-à realizar em regime intra-empresa (para pequenas e médias empresas).

 

Âmbito Setorial:

São elegíveis as CAE (Classificação Portuguesa das Atividades Económicas – Revisão 3, Decreto-Lei nº 381/2007, de 14 de novembro):

– Da seção A à seção J, com exceção das Divisões 01, 03, 33 a 43, 53, 60;

– Da seção L à S, com exceção das Divisões 84, 90, 94.

 

Duração da Intervenção:

         Nº trabalhadores por empresa
Tipologia Nº horas de Formação Nº de horas de consultoria TOTAL Formação Consultoria
Micro 75 100 175 2 2
Pequena 100 100 200 3 a 6 3
Média 125 155 280 3 a 8 3

 

 

 

Início em Outubro de 2016 e términus em Dezembro de 2017

 

Organismo Intermédio: AEP-Associação Empresarial de Portugal

 

Financiamento:

  • Os projetos são cofinanciados até 90% para as empresas.
  • Os apoios a conceder revestem a forma de incentivo não reembolsável, ou seja, a fundo perdido.

 

 

Candidatura por empresa a 1 temática a selecionar:

  • Organização e Gestão;
  • Implementação de sistemas de gestão (Qualidade, Ambiente, SST ou outros);
  • Internacionalização;
  • Economia digital;
  • Racionalização/eficiência energética;
  • Gestão estratégica.
  • Formação de Empresários

 

Ficha de Pré-Adesão

até 27 de Maio – obrigatória inscrição no Portal 2020: https://www.portugal2020.pt/Portal2020

Seminário de Segurança e Saúde no Trabalho

No âmbito do Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, que se assinala no próximo dia 28 de abril de 2016, o Município de Santa Maria da Feira está a organizar um seminário subordinado ao tema: Stresse no Trabalho, um desafio coletivo.

 

O seminário terá inicio pelas 9h00, na Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira, pelo que poderá consultar aqui o programa detalhado.

 

Este seminário destina-se aos empresários, colaboradores afetos ao departamento de recursos humanos, bem como aos responsáveis pela área de higiene e segurança da sua organização.

 

A participação é gratuita, limitada à capacidade do auditório e sujeita à inscrição prévia. Proceda ao registo aqui.

 

Para mais informações, os interessados podem contactar através do telefone 256 370 891 – Gabinete de Desenvolvimento Económico e Empresarial / 256 370 877- Divisão de Recursos Humanos e Desenvolvimento Organizacional.

 

 

ENCONTRO COM O EMBAIXADOR DA INDONÉSIA

O embaixador da Indonésia em Portugal, Mulya Wirana, visita pela primeira vez Santa Maria da Feira no dia 19 de abril, terça-feira. Às 14h00, o diplomata lidera uma reunião de trabalho com empresários, no Europarque, seguida de um momento de networking, que facilitará o contacto pessoal dos empresários com o embaixador.
Mulya Wirana centrará a sua intervenção nas grandes questões de interesse para os empresários, em particular a economia e as oportunidades de negócios e de investimento na Indonésia.
Neste encontro, os empresários terão ainda a oportunidade de ouvir a experiência de Luciano Coelho da Silva, investidor português na Indonésia, e de dialogar com o embaixador, apresentando as suas áreas de negócio.
Esta é mais uma ação de diplomacia económica do presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa, com as diferentes embaixadas sediadas em Lisboa, perspetivando a promoção da economia do território, através do fomento das exportações e da procura de parceiros internacionais.
“A Indonésia é um país com enormes potencialidades, com 250 milhões de pessoas, política e economicamente estabilizado, e com uma classe média crescente. É um mercado de oportunidades para as empresas portuguesas em várias áreas de negócio, sendo também a porta de entrada para os países da Ásia”, refere o presidente da Câmara, Emídio Sousa.
Os setores de maior interesse no mercado da Indonésia são:

– Construção e obras públicas;
– Maquinaria especializada (setor agroflorestal) e equipamentos para a indústria;
– Equipamentos informáticos e material ótico;
– Industria alimentar e de bebidas (ex: azeite e vinhos);
– Indústria da madeira e da cortiça;
– Energias renováveis;
– Mobiliário técnico (ex: medicina, cirurgia, odontologia e veterinária);
– Consultadoria, serviços e turismo.
Os empresários interessados em participar neste encontro com o embaixador da Indonésia devem inscrever-se através do e-mail bizfeira@cm-feira.pt ou regista-la aqui.  Para mais informações, podem contactar através do telefone 256 370 891.
Em apenas meio ano, este é o terceiro encontro de embaixadores com empresários em Santa Maria da Feira, numa iniciativa do município através do projeto BizFeira. Em maio, será o embaixador da Bulgária a visitar o território feirense.indonesia

Resolução Alternativa de Litigios (RAL) – Obrigações para as Empresas

A Lei 144/2015, de 8 de setembro, aprovou o novo enquadramento jurídico dos mecanismos de resolução alternativa (extrajudicial) de litígios de consumo, criando em Portugal a Rede de Arbitragem de Consumo, e estabeleu um dever de informação, cujo cumprimento é exigível a partir do próximo dia 23 de março, para as empresas fornecedoras de bens ou prestadoras de serviços a consumidores.

Nos termos do artigo 18º da referida lei, esse dever de informação imposto aos fornecedores de bens ou prestadores de serviços estabelecidos no país consiste, sem prejuízo dos deveres a que se encontrem setorialmente vinculados por força da legislação especial que se lhes aplique, no dever de informar os consumidores (pessoas singulares quando atuam com fins que não se incluam no âmbito das suas atividades comerciais, industriais, artesanais ou profissionais) relativamente às entidades de RAL disponíveis ou a que se encontram vinculados por adesão ou por imposição legal decorrente de arbitragem necessária.

Essa informação deve ser disponibilizada pelo fornecedor de bens/prestador e serviços (a partir de 23 de março p.f….) de forma clara, compreensível e facilmente acessível (visível):

no seu sítio eletrónico na Internet (caso dele disponha)

– nos contratos escritos de compra e venda/prestação de serviços que celebre com o consumidor, mesmo que constituam contrato de adesão (caso os tenha)

– noutro suporte duradouro (como letreiro afixado na parede ou aposto no balcão de venda ou, em alternativa, na fatura entregue ao consumidor)

Segundo entendimento pacífico, o dever de informação deve ser prestado por todos os fornecedores de bens ou prestadores de serviços a consumidores, incluindo os que só o fazem pela Internet, mesmo que não tenham aderido a qualquer entidade de conciliação, mediação ou arbitragem ou não estejam nem devam estar vinculados (como é o caso dos serviços públicos essenciais, como a eletricidade, gás, água e resíduos, comunicações eletrónicas e serviços postais) à arbitragem necessária para resolução alternativa de conflitos de consumo.

Sendo a violação desta obrigação punida com coima de € 5.000 a € 25.000, ou de € 500 a € 5.000 no caso de pessoas singulares (valores reduzidos a metade em caso de negligência ou tentativa), voltamos a destacar algumas das informações disponibilizadas pela Direcção-Geral do Consumidor (DGC) no manual de perguntas/respostas que editou para o efeito, de modo a que as empresas possam cumprir mais este dever legal e comprovarem esse cumprimento a partir de 23 de março p.f..

Claro que o facto de ser obrigado a dar informação sobre os RAL junto dos quais o consumidor pode apresentar a sua queixa não obriga o fornecedor de bens ou prestador de serviços a aceitar que o conflito de consumo seja resolvido pela entidade de RAL caso a esta não se encontre vinculado por adesão ou obrigação legal, situação em que se encontrará a generalidade das empresas.

 

Sugestões da Direção-Geral do Consumidor (disponíveis emwww.consumidor.pt):  

Suporte/Letreiro/ Dístico…

Não existindo contrato escrito a informação deve ser prestada noutro suporte duradouro, nomeadamente num letreiro afixado na parede ou aposto no balcão de venda ou, em alternativa, na fatura entregue ao consumidor.

Não prevendo a lei qualquer modelo padronizado de informação, pode ser utilizada a seguinte formulação:

1. Pelas empresas já aderentes a um ou mais Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo:

Empresa aderente do Centro de Arbitragem XXX, com os seguintes contactos…

Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a esta Entidade de Resolução de Litígios.

Mais informações em Portal do Consumidor (www.consumidor.pt)

 

2. Pelas empresas não aderentes:

Em caso de litígio o consumidor pode recorrer a uma Entidade de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo:

– nome(s) e contacto(s) [endereço eletrónico e morada]

Mais informações em Portal do Consumidor (www.consumidor.pt).

Exemplos:

a) Uma empresa que tem apenas um ou mais estabelecimentos comerciais num determinado concelho deverá indicar apenas a entidade RAL que tem competência para dirimir conflitos nesse concelho;

b) Uma empresa que exerça a sua atividade em todo o território nacional deverá indicar todas as entidades competentes;

c) Uma oficina reparadora de veículos automóveis deverá indicar a(s) entidade(s) RAL especializada(s) nesse setor;

d) Uma empresa seguradora deverá indicar a(s) entidade(s) RAL especializada(s) nesse setor;

e) Uma agência de viagens deverá indicar a(s) entidade(s) RAL especializada(s) nesse setor.

Como no setor do comércio de materiais de construção não existe centro de arbitragem ou qualquer outro centro especializado específico de resolução alternativa de litígios, as empresas que vendam bens ou prestem serviços a consumidores terão porventura que indicar mais que uma entidade de RAL, de entre aquelas que existem e estão registadas na DGC e que indicamos na lista infra.

A DGC indica que em Portugal há 10 Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo a funcionar, sendo 7 de competência genérica e de âmbito regional (localizados em Lisboa, Porto, Coimbra, Guimarães, Braga/Viana do Castelo, Algarve e Madeira), 1 de competência genérica e âmbito nacional (supletivo) e 2 de competência específica nos setores automóvel e dos seguros, tendo já comunicado à Comissão Europeia (informação de 25/02/2016).

 

Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto

Contratos celebrados na Área Metropolitana do Porto: Arouca, Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Oliveira de Azeméis, Porto, Póvoa de Varzim, Santa Maria da Feira, Santo Tirso, São João da Madeira, Trofa, Vale de Cambra, Valongo, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia.

Rua Damião de Góis, 31 – Loja 6 – 4050-225 Porto

Tel.: 225 508 349 / 225 029 791 / Fax: 225 026 109

E-mail: cicap@mail.telepac.pt / web: www.cicap.pt

Assembleia Geral | 31 de Março 2016

Assunto: Convocatória de Assembleia Geral

 

Ex. Mos. Senhores Associados,

 

Ao abrigo do nº 1, do art.º. 19º dos Estatutos da Associação Empresarial do Concelho de Santa Maria da Feira, o Presidente da Mesa da Assembleia, convoca todos os associados para a Assembleia Geral Ordinária, que se realizará no próximo dia 31 de Março de 2016, pelas 18:30 horas, nas instalações da AEF, na Rua Jornal Correio da Feira, nº 19 A, com a seguinte:

 

Ordem de Trabalhos

 

  1. Apreciação e Votação do Relatório de Actividades e Contas do Exercício de 2015 e Parecer o Conselho Fiscal;
  2. Outros assuntos;

 

Como no disposto no nº 2, do art.º 29º dos Estatutos, se à hora marcada para a sessão não estiverem presentes mais de metade dos associados com direito a voto, a Assembleia reunirá, meia hora depois, com qualquer número de associados.

 

 

O Presidente da Assembleia Geral,

José Albino Pinto Teixeira